Adolescentes

Adolescentes

A infância e a adolescência são fases distintas do desenvolvimento. À semelhança do que acontece na Infância, a partir de um diagnóstico responsável e de um acompanhamento psicológico adequado, pode-se prevenir e corrigir precocemente muitas das perturbações emocionais e comportamentais susceptíveis de emergirem ao longo do desenvolvimento juvenil.

Inclusivamente, resultados de investigação sobre a eficácia dos tratamentos psicológicos referem que as intervenções com adolescentes tendem a ser mais eficazes do que com as crianças, embora ambas sejam eficazes. Esta eficácia depende essencialmente do facto dos adolescentes serem indivíduos mais autónomos, e, teoricamente, menos dependentes do meio e das mudanças que ocorrem à sua volta quando comparados com as crianças.

Para que o acompanhamento psicológico seja bem sucedido, começa-se por tomar decisões específicas quanto às características do adolescente (idade, diagnóstico, cronicidade, QI, …), características da família e circunstâncias sociais (recursos familiares, conflito parental, nível cultural, saúde mental e física dos pais, …) e avaliam-se os recursos disponíveis no próprio serviço (recursos clínicos, tipos de intervenção, …).

Tal como acontece no acompanhamento terapêutico da criança, segue-se a conceptualização do caso, a qual consiste fundamentalmente em três aspectos: (1) definição de diagnóstico e explicação de sintomas; (2) explicação de como os diferentes factores (ambientais, inter e intrapessoais) precipitaram ou promovem os sintomas; e (3) interpretação dos dados, mesmo contraditórios, fornecidos pelas diferentes fontes de informação.

As sessões desenvolver-se-ão numa postura eclética e procuram realizar objectivos previamente definidos com o adolescente com vista ao seu bem-estar psicológico.